NOTÍCIAS

Resinas de Pinus: os principais tipos e para que servem

Atualmente a produção de goma do Pinheiro é economicamente relevante em diversos países do mundo sendo o Brasil um dos principais países produtores, ficando atrás somente da China. Primordialmente as primeiras árvores da espécie Pinus Elliottii começaram a ser plantadas no Brasil entre os anos 60 e 70 devido a incentivos fiscais. Sendo seu objetivo inicial, visava somente o fornecimento de matéria-prima às indústrias de papel e celulose. Entretanto com o tempo, descobriu-se que através da resinagem do Pinheiro vivo era possível extrair sua Goma e, derivando dela, a terebintina e a colofônia (breu). Conhecidas como as resinas de Pinus.

Então a Goma, obtida através de estrias feitas no tronco das árvores, é uma pasta esbranquiçada, espessa e viscosa. Ela é um mecanismo natural de defesa da planta, pois ao sofrer a sangria, é expelida para estancar e cicatrizar a ferida. Contudo para que seja possível a extração em escala industrial, é necessário a aplicação de estimulantes a base de ácido sulfúrico viabilizando assim, a produção contínua da goma.

A goma em si não tem aplicações industriais, mas os produtos/reninas de pinus obtidos através de sua destilação – breu e terebintina – são aplicáveis em variados setores da indústria, tanto em suas formas originais como após sofrerem modificações. Sobretudo o breu, a terebintina e seus derivados são as resinas vegetais mais procuradas pela indústria podendo ser utilizados na fabricação de tintas, borracha, cosméticos, adesivos, entre outros. Produtos esses que são fabricados pela Florpinus e obtidos a partir de reservas próprias de Pinus Elliottii. A seguir, você conhece mais sobre cada uma e entende seus principais usos na indústria.

Terebintina:

A Terebintina é um líquido incolor — quando livre de impurezas —inflamável, de forte odor, não misturável em água e sabor amargo. É constituída por uma grande variedade de terpenos. Enquanto popularmente conhecida como aguarrás, é muito utilizada como solvente de tintas. Todavia pode ser utilizada em diversos segmentos de mercado como indústria farmacêutica, cosméticos e fragrâncias, na produção de óleo de pinho, detergentes, desinfetantes, no fabrico de resinas politerpênicas, entre outras.

Breu

Também chamado de colofônia, o breu é um produto conhecido desde a antiguidade. Inicialmente era utilizado nas construções navais e como impermeabilizante em cordas e tecidos.

Mas o que, exatamente, é o breu? Trata-se de um produto sólido, de coloração amarelada, resultante do processo de destilação da goma de pinus. Cerca de 80% da goma bruta resulta em breu.

Devido as diversas reações que o breu pode passar, há algumas décadas foram descobertas diversas utilidades desse produto para a indústria.  Boa parte desse material se torna cola e adesivo, ou cera para depilação. Além disso, pode servir como matéria prima para tintas, vernizes, borrachas sintéticas e produtos alimentares.

O breu e a terebintina são os dois principais produtos extraídos das Resinas de Pinus Bruta. Contudo, a Florpinus também fornece um catálogo completo de outros produtos derivados, para as mais diversas aplicações. Clique aqui e confira toda a variedade de Resinas oferecidas pela Florpinus.

< Voltar